Reunião discute ações conjuntas entre unidades de resgate e SAMU

O Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste (CIS-URG) realizou, nesta sexta-feira (31), uma reunião com entidades de salvamento e resgate para discutir ações conjuntas e de suporte no funcionamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Estiveram presentes representantes de concessionárias que administram rodovias, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Militar Rodoviária e Polícia de Meio Ambiente. 

Um dos principais objetivos foi apresentar aos serviços, que já atuam na área de urgência, a Central de Regulação das Urgências implantada em Divinópolis e a estrutura do SAMU. Foi apresentado, na ocasião, o formato de integração desses serviços com a Central.

“A partir do momento da inauguração do SAMU, um novo órgão regulador com autoridade médica, que é a Central de Regulação, passará a ser referência para entidades que atuam na área de urgência, emergência e resgate da população do Centro-Oeste”, destacou o secretário executivo do Cis-Urg José Márcio Zanardi.

O diretor médico do SAMU, Marco Aurélio Lobão, destaca que a integração com as entidades de salvamento e resgate é fundamental para ampliar a mobilização de recursos logísticos. 

O gerente de operações da Concessionária Triunfo, Ronaldo Matheus, enfatizou a importância da Central de Regulação Médica para o encaminhamento dos pacientes.

“Nosso serviço tem como especialidade atendimentos nas rodovias, resgate e salvamento. Nossas viaturas são diferenciadas e equivalem às do SAMU. Certamente, a regulação dará destino correto para o paciente. Muitas vezes, essa é a nossa maior dificuldade, pois ocorre frequentemente de encaminharmos um paciente a determinada unidade e essa unidade não aceitar a vítima por não ser da região. Nesse sentido, irá melhorar o encaminhamento, ou seja, o tempo de resposta a cada caso”, disse Ronaldo Matheus.

A Concessionária AB Nascentes não conta com unidades de resgate no seu trecho de atuação, como pontuou o gerente de operações, Marcelo Aguiar. Neste caso, quem realiza o resgate de vítimas nas rodovias é o Corpo de Bombeiros, que também contará com uma equipe dentro da Central. 

“Minha avaliação do serviço é a mais positiva possível. Vai agilizar o atendimento e garantir um ganho de sobrevida às vítimas. Hoje, temos um contrato com o Corpo de Bombeiros, responsável pelo o resgate e transporte da vítima até a unidade de saúde. O SAMU fará atendimento no momento do acidente e, assim, poderá salvar vidas ainda no local do fato”, disse.

Regulação Médica

A Regulação Médica das Urgências, operacionalizada por meio da Central de Regulação das Urgências, é um processo que garante a permanente avaliação e estimativa do grau da urgência de cada caso. Este processo é feito pelo Médico Regulador, que atuará com o acolhimento de todos os pedidos de socorro que chegarem através do 192.

Mediante a avaliação, será desencadeada a resposta mais adequada a cada solicitação, no que se refere ao monitoramento contínuo do grau de urgência, até a finalização do caso, garantindo a disponibilidade dos meios necessários para a efetivação da resposta definitiva. Ou seja, garantirá o encaminhamento do paciente para a unidade de saúde previamente pactuada com o serviço. 

A Central de Regulação opera com capacidade de monitoramento dinâmico do Sistema de Saúde, sendo a instância de autoridade operacional, onde se processa a função reguladora e polivalente na utilização dos recursos, refletindo sempre a relação entre a oferta disponível e as necessidades demandadas.

“No sistema, há as unidades de saúde definidas dentro de uma Rede de Resposta Hospitalar, que são unidades conveniadas. Temos que fazer essa rede funcionar. O Estado, a União e os municípios investem dinheiro para que esses hospitais funcionem. Como estamos iniciando o Serviço, as 18 unidades estão avisadas que os pacientes vão ser regulados de acordo com sua condição de atendimento. Então, é muito importante todo esse serviço passar pela Central de Regulação, para que tenhamos destinação adequada desse paciente”, finalizou José Márcio Zanardi, secretário executivo do CIS-URG.

6 de abril de 2017