Campanha Novembro Azul alerta para prevenção do câncer de próstata.

Fonte: Diário de Pernambuco

Com a chegada de novembro e a campanha do Novembro Azul, volta-se a atenção para a conscientização sobre a prevenção em relação à doença. Homens com mais de 50 anos devem se consultar com o urologista mesmo sem sintomas aparentes. A recomendação se dá porque é nesta faixa etária que costuma surgir o câncer de próstata e doenças relacionadas ao trato urinário inferior. Porém, caso algum parente próximo tenha sido diagnosticado, o rastreio deve começar a partir dos 45 anos. 
Fatores de risco não determinam uma doença, segundo o urologista Dimas Antunes, mas servem como indicador de maior vulnerabilidade. Algumas condições podem aumentar a chance de um homem ter câncer de próstata: idade – cerca de 60% dos cânceres de próstata surgem em homens acima dos 60 anos; histórico familiar – se o avô, pai ou irmão foram diagnosticados com a doença, os riscos são maiores; raça – homens negros sofrem maior incidência desse tipo de câncer; e obesidade – estudos indicam que obesos têm maior propensão ao câncer de próstata e, nesses casos, surgem mais agressivos.
“O diagnóstico é confirmado com uma biópsia, porém, é preciso antes realizar o toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos. O PSA é um exame complementar, auxiliando na investigação da doença”, esclarece o médico. Ele também enfatiza que cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal.

Alguns sintomas podem servir de alerta, como dificuldade para iniciar a micção, maior frequência urinária, pouco fluxo urinário, urgência para urinar e sensação de esvaziamento incompleto, além de sangue na urina. “Estar em dia com os exames é essencial, mas investir em práticas saudáveis, como alimentação balanceada, praticar atividades físicas, não exagerar no consumo de bebida alcoólica e ficar longe do cigarro, são medidas preventivas que podem ajudar a diminuir o risco do câncer”, pontua, concluindo que quando diagnosticado precocemente as chances de cura são de 90%.  

1 de novembro de 2020