Ambulâncias do SAMU passam por vistorias

As ambulâncias que vão operar no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) estão passando por um processo de vistorias através da Vigilância de Saúde de cada município onde estarão presentes.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Educação Permanente (NEP) do SAMU, Larissa Martins Santos, essa é a última etapa para que os veículos comecem a operar no Serviço, que será inaugurado em maio.

“Todas as ambulâncias têm que passar por esse processo para receberem um alvará sanitário. Essas vistorias são realizadas na Secretaria de Saúde de cada município onde há uma base descentralizada. O processo é uma exigência da Superintendência de Estado de Saúde em cumprimento à legislação”, explicou.

Até o momento 12 veículos equipados foram vistoriados. “Os fiscais fazem relatórios e verificam se os veículos estão de acordo com a portaria 2048, fazem então um relatório e emitem um alvará. Todas as unidades foram aprovadas”, destacou Larissa.

A coordenadora do NEP, ressalta ainda, que por uma questão de segurança, as ambulâncias vistoriadas são levadas até município onde há uma base, passam pela vistoria e em seguida retornam para a Central de Regulação das Urgências em Divinópolis, onde devem ficar até a convocação dos funcionários que passaram pelo Processo Seletivo.

Distribuição de ambulâncias

Serão disponibilizadas para as bases 24 ambulâncias do tipo Unidade de Suporte Básico (USB), que serão tripuladas por um técnico de enfermagem e um condutor socorrista. Além desses veículos há também sete Unidades de Suporte Avançado (USA), tripuladas por um médico, um enfermeiro e um condutor socorrista. Estas unidades serão destinadas a Divinópolis, Luz, Campo belo, Oliveira, Formiga, Nova Serrana e Itaúna. 

O secretário executivo do CIS-URG José Márcio Zanardi explica que as cidades foram escolhidas com base em estudos de viabilidade, sendo que a logística dessa distribuição de ambulâncias foi feita para que se situem em pontos estratégicos, de forma que o tempo entre a chamada recebida pelo 192 e a chegada da ambulância, demore no máximo 40 minutos em qualquer ponto da região.

Para a escolha também foram levados em consideração os acessos, estradas, rodovias e estradas rurais, além do perfil epidemiológico de cada município. Foi usado ainda números indicadores do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), chamado Mortalidade por Causas Externas. Esses números foram mensurados para designar a USA, de modo que este tipo de veículo possa dar uma cobertura não apenas naquele município onde ela se encontra, mas nos demais do entorno.

O gerente de logística do CIS-URG Dárcio Abud Lemos destaca que todas as unidades contam com comunicação via web, telefone e GPS, o que garante interligação direta e 24 horas com a Central de Regulação das urgências.

24 de abril de 2017